Amor e Sexo

Casais sem sexo: «Não fazemos amor há oito meses», assume Joana. Sexóloga explica porquê.

3 Janeiro, 2019

Joana e Paulo não são caso único... Garantem que são felizes, apesar de não terem intimidade entre eles. No meio de uma vida agitada, não sobra tempo para os dois. A sexóloga, Vânia Beliz,, explica os motivos de a falta de sexo existir em muitas casas.

Estão juntos há sete anos. Namoraram três e há quatro decidiram casar. Têm: um filho de dois anos; uma carreira de sucesso; uma casa bonita e uma vida feliz. Só há um pormenor: “Não fazemos amor há oito meses. Se me perguntarem porquê, não sei dizer”, diz Joana, de 39 anos, nome pelo qual preferiu ser tratada, devido à delicadeza da história. “Não tenho vontade e ele também não a mostra”, continua, sob o olhar atento de Paulo, de 41, também ele com nome fictício.

Joana explica por que resolveu responder ao nosso contacto e expor o assunto. «Esta é das poucas vezes que falamos disto, ponderámos muito. Decidimos falar porque há mais casais como nós e não têm qualquer doença, nem têm de ter vergonha por isso. Habituámo-nos a viver assim.
Não nos procuramos. A sociedade está virada para o sexo e parece que quem não o faz não é feliz, mas não é verdade, nós somos felizes assim», completa. Vânia Beliz, sexóloga, explica que o facto de um casal não ter uma frequência sexual não quer dizer, de todo, que algo de errado esteja a acontecer. Não é por não se ter sexo que o amor deixou de existir.

• Por que é que um casal deixa de ter sexo?

A frequência sexual tem tendência para diminuir nas relações de maior duração. Ultrapassado o momento de namoro, paixão e descoberta, outras variáveis passam a fazer parte da vida do casal e, em algumas situações, a sexualidade deixa de ser vista como algo genital valorizando‑se outras coisas.

• Esta situação é mais comum do que se possa imaginar?

Há casais com baixa frequência sexual, mas isso é um problema quando na relação é constrangedor ou se alguém não está satisfeito. Muitos casais desvalorizam a quantidade privilegiando a qualidade e preferem apostar na intimidade (relações sexuais) quando estão mais disponíveis. A rotina, os filhos… são tudo fatores que alteram a nossa intimidade.

• Essa relação terá passado de amor a amizade unicamente?

A relação de amizade deve fortalecer-se, mas alguns casais podem simplesmente estar a privilegiar outras áreas. As relações entre as pessoas não se
podem basear apenas na sua prática sexual.

• Apesar de, em alguns casos, estes casais darem o seu testemunho e afirmarem que são felizes com a situação, será essa felicidade verdadeira?

Depende de cada um. Para muitas pessoas o sexo é algo secundário e se realmente não houver problemas na relação por causa disso. Cada pessoa
e casal são únicos. Seria errado dizer que, por não terem relações sexuais, não são felizes. A felicidade relacional faz-se de muitos ingredientes e cada um tem a sua receita. O importante é que no fim tudo corra bem.

• Por que é que estes casais continuaram juntos?

Porque podem ter encontrado outras coisas mais gratificantes. Quantos casais com grande frequência sexual se afastam? A relação é um todo e cabe lá muita coisa, para estes casais, a relação sexual, na sua intimidade, pode ser algo que não valorizam. Pode ser uma escolha, uma característica do casal, mas também pode ser um sintoma de que algo não está bem. Será avaliado caso a caso.

LEIA TAMBÉM:

8 conselhos para melhorar a atividade sexual e a sua autoestima

Evite um divórcio e saiba como reativar o seu desejo sexual

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0