Amor e Sexo

Diário de Maria: «Perdi a minha mãe e não tiro da minha cabeça que ela partiu zangada comigo»

19 Novembro, 2019

diário

O consultório da Revista Maria relata casos reais e responde a perguntas dos nossos leitores, com a ajuda da Dra. Ana Bárbara Silva.

«Desde que perdi a minha mãe, não tiro da minha cabeça que ela partiu zangada comigo. Ela estava doente, era eu que a acompanhava sempre nos internamentos. No dia em que nos ‘despedimos’ ela não teve qualquer tipo de reação… Todos dizem que o fez porque morreu preocupada comigo e não chateada.» P. T. – Santarém

Cara leitora, lamento a sua perda. Quando as pessoas sentem que conseguiram resolver tudo com a pessoa que partiu, o luto acontece de maneira mais tranquila. No entanto, quando as pessoas sentem que há algo por resolver, dá-se um luto complicado.

A psicóloga aconselha

Gostaria de fazer a leitora acreditar que não há motivo para sentir culpa, pois fez o melhor que pôde. E isso já é suficiente. Acredito que poderá ajudar fazer uma carta dirigida à sua mãe, com tudo o que ficou por dizer. Isto poderá trazer algum alívio. No entanto, poderá procurar ajuda profissional para lidar com esta perda.

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top