Amor e Sexo

O orgasmo fugiu-lhe? Não fique a chuchar no dedo!

15 Agosto, 2019

Orgasmo

Estava tudo a correr bem, sentia-se excitada e o orgasmo aproximava-se quando... puff! Ficou a ver navios! Não sabe que volta dar à situação? Nós explicamos.

Vai dar a noite por perdida só porque ficou a contar carneinhos em vez de ver estrelas? Ohhh, mulher! Infelizmente, esta situação é mais comum do que se possa pensar. Claro que se não chegarmos ao orgasmo não é o fim. Mas a verdade é que, quando quando o atingimos, o mundo fica um lugar melhor (a menos que tenha acabado de envolver com o amigo do seu marido).

Quando ele a ignora

Está naquela fase em que sente o seu corpo a reagir ao prazer que se aproxima. Sente a vagina mais lubrificada, os estímulos sexuais dão-lhe um prazer em crescendo e diz: “Não pares, não pares” e ele faz precisamente algo que interrompe o que estava a sentir? Sem stress!

O que fazer: Explique-lhe que, quando diz “não pares”, é exatamente isso: continuar o que estava a fazer e que estava a dar-lhe prazer. O objetivo não é parar, mudar de posição, acelerar ou penetrá-la com mais ou menos força.

Se não acerta NO ALVO

Sente-o cada vez mais excitado e a achar que está a fazer um brilharete mas… no sítio errado? Não se zangue nem rebente de tanto rir.

O que fazer: Explique-lhe que as virilhas, por exemplo, não são uma zona tão erógena quanto a vagina. Portanto, não lhe vale de nada estar numa maratona sexual com recantos do seu corpo enquanto ignora o centro do prazer.

Para onde foi?

Sabe aquela sensação de “está quase, está quase, está…” e, pura e simplesmente, ele desaparece sem deixar rasto? Pois bem, importa não desanimar e fique desde já a saber que acontece à maioria das mulheres.

O que fazer: Não desista! Inspire, expire, concentre-se e comece de novo. Feche os olhos e concentre-se no que está a sentir ou ajuste a posição de forma a sentir mais prazer.

Ele chega mas… FRAQUINHO

O maestro dirige a orquestra, sente os instrumentos todos afinados para aquele momento apoteótico que é o clímax, quando se ouve apenas um pífaro… Acontece a todas. Às vezes, a intensidade do momento não é a que parece que está para chegar.

O que fazer: Pensar que da próxima vez não se vai repetir e concentrar-se, libertando a cabeça de preocupações ou inseguranças.

Se a posição não ajuda

Já está há largos minutos na mesma posição, ele está a adorar vê-la quase de cabeça para baixo com os seios “à mão de semear”, mas a si está a dar-lhe tanto prazer como ir ao dentista? Calma. A relação sexual deve dar prazer aos dois.

O que fazer: Fale! Diga que assim não está a ser bom para si e indique-lhe o caminho! Guie-lhe as mãos. Assuma o controlo da situação. Acha que dá prazer a um homem se estiver contrariada ou… quase inanimada de tão desconfortável que se sente? Claro que não!

Esforço EM VÃO

Ele tenta e tenta. Muda de posição, estimula-a com as mãos enquanto a penetra e mesmo assim nada? É frustrante ver que ele vai chegar ao orgasmo antes de si e que, depois disso, não há muito a fazer, a não ser esperar que o vento sopre a favor e o “mastro” se endireite…

O que fazer: Hum… Se isto acontecer uma vez, desvalorize. Se esta é a sua realidade, pense que poderão ser incompatíveis na intimidade.

Síndrome de coelho

É primavera e aproximamo-nos da Páscoa, mas e se ele insiste no ritmo de coelho, que nem às coelhas dá prazer?

O que fazer: Pare, diga e mude de estratégia. Explique que gosta mais do ritmo ondulante das cobras na época de acasalamento do que o dos coelhos com aquelas pilhas que nunca acabam.

Texto: Carla da Silva Santos

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top