Amor e Sexo

O-Shot: A injeção que dá orgasmos múltiplos!

26 Outubro, 2019

Mais prazer na hora H através de uma “fórmula mágica”. O especialista explica como conseguir orgasmos mais intensos.

Ter um orgasmo na hora do sexo é o que todas queremos, mas nem todas lá chegam. E se lhe dissermos que há uma injeção que a ajuda a dar ou intensificar o prazer e até conseguir orgasmos múltiplos?

Chama-se O-Shot (injeção do orgasmo), está à mão de qualquer mulher e existe em Portugal. Basta falar com um especialista. “Consiste na aplicação de plasma no clítoris e na vagina. Segundo o seu criador, Charles Runels, este tratamento ajuda as mulheres a alcançar o orgasmo”, começa por explicar o psicólogo e sexólogo Fernando Mesquita.

E continua: “Charles Runels refere que aproximadamente 80 por cento das suas clientes relataram efeitos positivos.” Mas, afinal, como é obtido o plasma e como funciona esta injeção milagrosa? “O plasma é obtido através de uma pequena amostra de sangue (10 ml) da própria cliente (mulher). Quando injetado, este plasma vai ajudar a ativar as plaquetas que são responsáveis pela reparação de tecidos”, explica o especialista.

Ao que tudo indica, qualquer mulher pode querer “levar” esta injeção, basta que para isso fale com um
especialista e abra os cordões à bolsa. “De acordo com as descrições, este tratamento, que ronda os €1000, tem uma validade que pode variar de nove meses a ano e meio”, sublinha.

Cuidado com o tratamento

Mas, atenção, Fernando Mesquita assume que há quem duvide deste método. “Não há estudos que comprovem a eficácia ou a segurança deste tratamento. A maioria dos médicos considera que os resultados se devem, essencialmente, a um efeito placebo”, alerta. Importa referir que o efeito placebo são os resultados terapêuticos devido aos efeitos psicológicos da crença da paciente de que está a ser tratada. A pessoa tem a sensação de que está a ter o efeito do medicamento quando, na realidade, é tudo psicológico.

Fernando Mesquita salienta ainda que a relação sexual é mais do que a penetração. “Importa referir que a intimidade sexual e o orgasmo não se limitam à relação entre a vagina e o pénis. O orgasmo pode ser desencadeado de muitas outras formas, sendo que o cérebro é considerado o ‘ponto erógeno’, por excelência (e para aí ainda não existem O-Shots).

Portanto, embora se possam encontrar alguns resultados positivos, neste tratamento o mesmo deve ser visto como uma alternativa e não a solução”, conclui.

Como surgiu a invenção?

O nome talvez não lhe diga nada. Mas Charles Runels é o médico responsável pelo tratamento de
beleza que deixou Kim Kardashian com o rosto coberto de sangue.

O inventor deste O-Shot, que vive no estado de Alabama, América, começou por injetar o tratamento no próprio pénis durante um ano. Perante os resultados, a companheira pediu‑lhe que aplicasse as injeções na sua vagina e Charles acedeu a testar os efeitos. “Na tarde seguinte, ela veio ver-me. Atingia orgasmos mais depressa e fortes com ejaculação vaginal”, sublinha o médico ao jornal britânico The Guardian. Começou a testar nas suas clientes e já é um sucesso.

Leia ainda: Sexo anal: 6 verdades e 5 mentiras que vai querer saber

Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos: Pixabay

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top