Moda e Beleza

Usa saltos altos? Cuidado, podem ser um perigo para a sua saúde

9 Abril, 2019

São elegantes e definem a perna, mas são inimigos do corpo. Os tornozelos, calcanhares e gémeos são os primeiros a sofrer com o seu uso inadequado. Saiba como usar sem dar cabo da coluna.

As mulheres sabem que há riscos nuns saltos altos elevados – as dores estão cá para nos lembrar disso –, mas, mesmo assim, não deixamos de os usar e de nos sentir confiantes com aqueles centímetros extra de altura. Também sabemos o efeito que umas pernas em cima de uns longos saltos mexem com o imaginário masculino.

Mas, atenção, dados americanos sugerem que os saltos altos são cada vez menos populares entre as mulheres. Mesmo assim, este género de sapatos continua a fazer parte do guarda-roupa, nem que seja para usos ocasionais. Todavia, o que parece elegante à vista é um verdadeiro atentado à saúde da coluna e dos músculos das pernas.

LEIA MAIS:  Excesso de gases? Conheça dez dos causadores do seus problemas

A questão é que para manter o equilíbrio, quando se está em cima de um salto-agulha, o corpo tem de compensar a elevação forçada. Como é que o faz? Inclinando o peito para a frente e empurrando a base da coluna para trás. Outra consequência direta é ainda o aumento da pressão nos joelhos e na parte da frente do pé. Quanto mais alto o salto, maior a pressão.

De acordo com um estudo do International Journal of Clinical Practice, são os tornozelos, calcanhares e gémeos os primeiros a sofrer com o uso inadequado de saltos altos, mas a lista não fica por aqui.

«Este tipo de sapato pode desequilibrar a zona muscular que apoia a articulação do tornozelo, causando instabilidade, mas também perturbações da coluna vertebral. De facto, os saltos altos alteram a forma de andar, uma vez que, inconscientemente, modificam a postura (ombros mais para trás, cabeça mais para a frente). E esta ligeira alteração, causa uma angulação diferente na coluna que tem um grande impacto nas articulações, calcanhar, tornozelos e também nos joelhos», começa por referir Luís Teixeira, médico ortopedista e fundador da associação Spine Matter.

Conselhos passo a passo

Mas para quem se recusa a abdicar dos saltos altos, deve, pelo menos, seguir as seguintes recomendações deixadas pelo médico cirurgião: Escolha bem o calçado É muito importante que os saltos altos permitam que o pé tenha estabilidade, o que será possível com bases mais largas, evitando também futuras quedas.

Fuja das alturas

Evite os saltos excessivamente altos e opte no máximo por 3/4 centímetros de altura.

O seu número

Muito importante é também que respeite o seu tamanho de calçado, para que o sapato não fique nem apertado, nem folgado.

Respeite o formato dos pés

Além das dores, os saltos altos favorecem a torção do tornozelo e, com o avançar da idade, aumenta o risco de quedas e fraturas secundárias. Além disso, a compressão pode afetar a circulação e causar dores e tensão nestas regiões.

Alongamentos

Faça alongamentos da perna e dos pés diariamente, além da prática regular de exercício físico. Estes exercícios são importantes para prevenir o aparecimento de dores e inflamações.

Descalce-se

Sempre que possível, sente-se, retire o calçado e apoie os pés no chão de forma a corrigir a sua postura e a diminuir a sobrecarga nas estruturas da coluna, ao mesmo tempo que alivia a pressão que o peso do corpo exerce sobre os pés.

Fuja do salto-agulha

Opte por saltos mais largos que concedam mais estabilidade à passada. Modelos de salto-agulha devem ser evitados, sobretudo se muito altos.

Limite o uso

Limite o uso deste calçado a dois, máximo três dias por semana. E nos dias de descanso, procure reforçar as caminhadas.

Hidrate-se

Uma hidratação adequada e é muito importante para prevenir cãibras e para garantir que todos os músculos estão a trabalhar corretamente.

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0