Nacional

Atrizes respondem à letra a quem as critica por se terem misturado com milhares na manifestação

7 Junho, 2020

Daniela Melchior e Joana Metrass viram-se obrigadas a explicar porque decidiram misturar-se com milhares de pessoas na manifestação contra o racismo em Lisboa, em plena pandemia da covid-19.

Apresentadores, atores, cantores e manequins fizeram questão de participar na manifestação contra o racismo, que aconteceu em Lisboa, este sábado (6).  Os apresentadora Iva Domingues e Luís Borges, As atrizes Joana Metrass, Daniela Melchior e Rita Pereira, Weza Silva ou o cantor Dino Santiago foram alguns dos famosos que deram a cara pela manifestação contra o racismo denominada «Vidas Negras Importam», a evocar, de forma pacífica, os protestos que ocorrem nos Estados Unidos.

Devidamente protegidos de máscara e de luvas, o distanciamento social imposta pela prevenção da Covid-19, para segurança de todos, não foi cumprida. Aliás, este foi um dos temas mais criticados nas redes sociais, assim que começaram a ser divulgadas imagens da manifestação contra o racismo em Lisboa.

Muitos internautas defendem a causa, mas não a forma e a altura (de pandemia) em que vivemos para fazer a manifestação.

Joana Metrass quis defender-se de quem a acusou e explicou porque saiu à rua, e se misturou com milhares de pessoas em plena pandemia. «É o mínimo! Como é que é possível sequer se preciso lutar por isso? Estive até hoje em confinamento total, levo o Covid muito a sério, há dois meses que só estou com uma pessoa. Não andei a refilar com a quaretena e não fui a correr para jantares e festas assim que tudo começou a abrir, continuei em quarenta, só a sair para o muito essencial. ISTO, estar presente hoje, era essencial! Não deixa de ser um wake up call que um protesto com o moto “I can’t breathe” porque há seres humanos a morrer sem conseguir respirar assassinados, se passe durante uma pandemia com todos de máscara, com pessoas a queixarem-se e a protestar que não querem usar máscara porque custa a respirar, põe tudo em perspectiva não põe? Chama-se privilégio», lê-se.

Daniela Melchior também se justificou e colocou o dedo na ferida quando lhe perguntaram onde estava a consciência social quando decidiu misturar-se com milhares de pessoas. «Deve estar no mesmo sítio das pessoas que foram para a praia em Março. Ou das que fazem filas à porta de lojas de roupa no Chiado. Ou das que já fazem convívios em terraços e piscinas com amigos sem medidas de segurança nenhumas. Ou das que comem fora constantemente. Sabe qual é a diferença entre essas pessoas e as que foram hoje para a manifestação? Não preciso de ser eu a dizê-la. Boa noite», escreveu.

Leia ainda: Joana Metrass faz mudança radical e fica irreconhecível: «Vem aí mais»

 

Entre vídeos e fotografias partilhados por todos os famosos referidos, o que mais se ouviu foi a expressão «Black Lifes matters» e se viu cartazes que as pessoas empunhavam onde se podia ler «não quero ter medo da PSP» ou «silêncio branco é compactuar».
A marcha contra o racismo teve início pouco depois da 17:00 na Alameda D. Afonso Henriques, junto à Fonte Luminosa e mais de uma hora depois chegou ao Largo do Martim Moniz, com fim na Praça do Comércio.
A manifestação teve como base as manifestações que estão a existir no EUA na sequência da morte de George Floyd.
Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos; Instagram

Adquira a sua revista Maria online

1 – Aceda a www.lojadasrevistas.pt

2- Escolha a sua revista

3 – Clique em COMPRAR ou ASSINAR

4 – Clique no ícone do carrinho de compras e depois em FINALIZAR COMPRA

5 – Introduza os seus dados e escolha o método de pagamento

6 – Pode pagar através de transferência bancária ou através de MB Way!

E está finalizado o processo! Continue connosco. Nós continuamos consigo.

 

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top