Nacional

Ex-namorado de Fanny partilha fotos e relato dramáticos da luta contra o cancro

18 Outubro, 2019

Sandro Lima luta contra uma leucemia desde 2017. O ex-namorado de Fanny faz um relato arrepiante do sofrimento no IPO e mostra fotos impressionantes desses momentos.

Sandro Lima luta desde 2017 contra uma leucemia e tem partilhado as suas dores e alegrias nas redes sociais. Exemplo de coragem, o futebolista, que se tornou conhecido quando namorou com a ex-Casa dos Segredos Fanny Rodrigues, assinalou esta quinta-feira, 17 de outubro, um ano de transplante de medula óssea.

Num texto arrepiante, ilustrado por várias fotografias dramáticas captadas a preto e branco, Sandro relata o seu sofrimento quando estava em isolamento total e em perigo de vida. O jovem conta que deixou de ser autónomo em tudo e que isso o deixava muito envergonhado. Além disso, os rins deixaram de funcionar e esteve quase para perder uma perna devido a uma bactéria. Passado um ano, Sandro agradece o facto de ter melhorado e estar em casa, junto dos que mais ama.

Leia o relato arrepiante de Sandro Lima na íntegra e percorra a galeria para ver as fotos: 

«Foi há exatamente 1 ano, dia 17 de Outubro de 2018, que eu fazia o meu primeiro transplante. Transplante de medula óssea.
Foram quase 3 meses de isolamento total.

Tanto que – naquele quarto N 5, do piso 11, do IPO do Porto – se sofreu, se chorou, se gritou… tanto que se rezou… e implorou. Para que dias como aqueles passassem. Lembro-me que na quinta semana de internamento, implorava aos médicos para que me deixassem ir embora – para junto dos meus. Onde estou agora – e que assinaria o termo de responsabilidade.

Não aguentava mais (pensava eu). ‘- Sandro, se sais deste quarto não duras 24h.’ – responderam os médicos ao meu pedido. Fez-se silêncio.

Depois desse dia ainda vieram mais 5 semanas de luta. Uma luta que parecia não acabar.

Neste tempo, deixei de ser autónomo em tudo: Com 21 anos voltei a usar fraldas e tão envergonhado que me sentia. Os rins paravam e diziam-me que tinha de fazer hemodiálise para o resto da vida…

Como vos dizia há cerca de um ano na publicação do ‘Ano Novo’, neste internamento estive também perto de perder uma perna, e tanto que pedi aos médicos para que isso acontecesse, uma vez que a bactéria se alastrava pela perna acima… e tanto que sofria.

Fui três vezes ao bloco operatório e três vezes os cirurgiões se recusaram a fazer a cirurgia. E hoje, tanto que lhes agradeço.

Ali aconteceu um milagre. E de um dia para o outro, a bactéria desapareceu, a febre também, deixei de fazer hemodiálise, a cirurgia nunca aconteceu e tudo resto começou a ir embora. Ainda hoje os médicos não me sabem dizer o que ali se passou.

A verdade é que ainda tenho as duas pernas, não faço hemodiálise e aos poucos começo a ter uma vida normal.

No total, foram 10 semanas de isolamento total. E desde aí tanto que já se passou e tanto que ainda se sofreu.

Mas nunca desisti. Estou cá. Aqui, a escrever-vos!

A fé move montanhas nunca se esqueçam disso. Por isso, hoje, vos peço: «Nunca se queixem!»

Há sempre alguém pior que vocês.

Hoje estou em minha casa junto dos meus, mas há 1 ano estava lá, como muitas outras pessoas estão lá neste momento. Por isso, agradeçam todos os dias por tudo. Como eu o faço. Todos os dias. #tudovaidarcerto».

Texto: Ricardina Batista; Fotos: Reprodução redes sociais

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top