Nacional

Violência doméstica: 28 mulheres assassinadas apenas este ano

25 Novembro, 2019

Mais de 500 mulheres foram assassinadas nos últimos 15 anos, sendo que, por mês, cinco são vítimas de violência extrema. Três acabam mesmo por morrer às mãos dos seus agressores.

O número de mulheres mortas vítimas de violência doméstica tem vindo a aumentar nos últimos anos. São estas as conclusões do último relatório do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA) elaborado pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), e que recordamos esta segunda-feira, 25 de novembro, Dia Internacional Para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

Mais de 500 mulheres foram assassinadas nos últimos 15 anos, sendo que, por mês, cinco são vítimas de violência extrema. Três acabam mesmo por morrer às mãos dos seus agressores.

O estudo em causa reflete os números traçados pelas notícias publicadas na imprensa nacional entre  1 de janeiro e 12 de novembro de 2019. O OMA contou 28 mulheres assassinadas em contexto de relações de intimidade ou familiares, além de outras duas mortas em diferentes contextos, e 27 tentativas de homicídio. Contas feitas, significa que, em média, houve três mulheres assassinadas todos os meses e uma média de cinco mulheres vítimas de formas de violência extrema.

Caracterização da vítima e do agressor

A caracterização da vítima mostrou que o grupo etário que registou mais femicídios foi o das mulheres com idades entre os 36 e os 50 anos (43%), imediatamente seguido pelo grupo etário acima dos 65 anos (21%), sendo que metade das vítimas estava inserida no mercado de trabalho. Um dado que leva a UMAR a defender a necessidade de aumentar a proteção a estas mulheres. Saiba mais pormenores aqui.

Leia ainda: Como explicar a ‘violência doméstica’ às crianças?
Texto: Márcia Alves com Redação Win-Conteúdos Digitais; Fotos: DR

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top