Nacional

Namorado de Clara de Sousa é acusado de estar envolvido em caso de corrupção

13 Novembro, 2019

Fernando Esteves, o atual namorado de Clara de Sousa, é mencionado na acusação do Ministério Público no processo «Máfia do Sangue».

Fernando Esteves, o diretor do site Polígrafo – que combate as fake news – e namorado da também jornalista Clara de Sousa, acaba de ver o seu nome envolvido no mediático processo Máfia do Sangue, que se debruça sobre a corrupção no negócio milionário do plasma sanguíneo e que tem como principal arguido Paulo Lalanda e Castro.

É, de resto, ao ex-administrador da Octapharma em Portugal, suspeito de ter negociado com o ex-presidente do INEM, Luís Cunha Ribeiro, o benefício da farmacêutica em concursos públicos relacionados com o sangue, que o nome do jornalista é ligado no despacho da procuradora Ana Paula Vitoriano, ao qual a revista Sábado teve acesso.

A mesma publicação, da qual Fernando Esteves foi jornalista, entre 2005 e abril de 2017, escreve que o diretor do Polígrafo acumulou a função de jornalista e editor de Política da Sábado com a de sócio da empresa Alter Ego, que tinha como atividade consultoria em comunicação, incompatível com a profissão de jornalista.

A Alter Ego, que tinha como outro sócio Pedro Coelho dos Santos, assinou, então, um contrato de assessoria mediática com a Octapharma. Para tal, Coelho dos Santos pediu «1500 (mil e quinhentos) euros mensais, acrescidos de IVA a taxa legal».

A Sábado acrescenta que Fernando Esteves foi sócio da Alter Ego até o ano passado. Contactado por aquela revista, o companheiro de Clara de Sousa assegurou que não conhecia os clientes do sócio Coelho dos Santos e assumiu que foi «negligente» quanto ao acompanhamento das contas da empresa.

A reação de Fernando Esteves

Já na manhã desta terça-feira, Fernando Esteves recorreu ao seu perfil de Facebook para esclarecer que a Alter Ego era «uma microempresa de media training», «uma actividade formativa que é totalmente compatível com o código deontológico dos jornalistas».

«O meu amigo de faculdade Pedro Coelho dos Santos (atual dono da empresa) […] perguntou-me um dia, ainda antes de eu sair, se podia facturar as actividades privadas dele através da empresa, uma vez que lhe era benéfico em termos fiscais. Eu, que não tinha qualquer responsabilidade na organização e que basicamente só aparecia nos locais (escolas e universidades, normalmente) quando, muito raramente, havia um curso para ministrar, disse-lhe que sim, sem lhe perguntar o que quer que fosse, nomeadamente quem eram os seus clientes. Era a vida dele», alega.

E assegura: «Nunca soube qualquer detalhe sobre os contratos que fazia ou deixava de fazer porque simplesmente não participava da vida de uma empresa que nem instalações possuía (a sede era, e julgo que ainda é, a morada do Pedro Coelho do Santos). Escusado será dizer que nunca ganhei um tostão relacionado com os clientes que ele legitimamente mantinha.»

Veja também: A declaração de amor do namorado de Clara de Sousa que deixou a jornalista «atrapalhada»
Texto: Dúlio Silva | Fotografias: Impala

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top