Notícias e TV

Quer o Destino: Mateus e Isabela fogem para Lisboa em busca de uma nova vida

26 Setembro, 2020

O vilão volta a matar e Isabela ameaça deixá-lo. Receoso que algo fuja ao seu controle, mente com todas as suas forças e tenta manipulá-la.

Brevemente em Quer o Destino, depois de escaparem a uma emboscada da polícia, o casal muda-se para a capital em busca de paz e uma vida a dois em harmonia. Contudo, o vilão volta a matar e Isabela ameaça deixá-lo.
A novela está a entrar na fase final e as emoções estão cada vez mais intensas. Depois de Machado descobrir onde Mateus e a mulher estão escondidos, o casal quase é apanhado. No entanto, acaba por salvar-se quando, inesperadamente, Fonseca ataca o colega e assume que ama Isabela e não suporta a ideia dela ser presa.

Já a salvo, o Santa Cruz decide que o mais seguro é deixarem Salvaterra. Para tal, de modo a não deixarem pistas, Isabela quer colocar Esperança, a velhota dona da casa onde estiveram escondidos este tempo todo, num lar. Mateus acha melhor ir só ele despedir-se de Esperança porque senão elas ficam muito emocionadas. A mulher concorda. Pouco depois, o vilão finge ser o marido dela e despede-se de Esperança. Ajuda-a preparar-se para dormir. Ela fecha os olhos e Mateus asfixia-a até ela parar de espernear. Fecha-lhe os olhos, benze-se e sai.

Momentos mais tarde, o Santa Cruz aproxima-se de Isabel e beija-a. Ela fica desconfortável e o vilão pede-lhe: “Faz um esforço, Isabela. Escapámos à polícia e estamos juntos. O final vai ser feliz.” Tenta beijá-la novamente, mas ela afasta-se e diz que ainda não esqueceu que ele a magoou. Segue para o quarto para dormir, deixando Mateus frustrado.

Pouco depois, ele vai ter com ela ao quarto. Deita-se ao lado dela e beija-lhe o pescoço, a afilhada de Elvira não reage e ele desiste. Isabela sente-se angustiada.
Na manhã seguinte, o casal prepara-se para sair. Ela não se sente muito segura e pergunta se ele tem a certeza. “Lisboa tem as ruas cheias de gente, ninguém vai reparar em nós. Não querias alguma normalidade? Então… passeamos de mãos dadas, vamos ver as ruas, os monumentos… passeamos de bicicleta ao pé do rio…”, diz o vilão. Hesitante, ela questiona: “Prometes que vai correr bem?” O filho de Catarina beija-a e garante que sim.

Horas mais tarde, chegam a um hostel. Entram disfarçados. Isabela tem medo que sejam apanhados, mas Mateus manda-a aproveitar e garante que estão a salvo. Pouco depois, passeiam de mãos dadas pelas ruas de Lisboa. Comem gelados, enamorados. A afilhada de Elvira sente uma tranquilidade há muito desejada. Entretanto, ela segue para o alojamento e ele vai ao supermercado.

Leia ainda: Elvira foge à polícia pelo assassinato de Catarina e casa-se em Las Vegas

Nova vítima em Quer o Destino

Momentos depois, o vilão, sério e olhar misterioso, entra vindo da rua com sacos de compras que deixa à porta. Retira o boné, assim como os óculos, que pousa na mesa de apoio. Encaminha-se para o quarto. Esconde um saquinho dentro dos ténis. Isabela entra da casa de banho e pergunta-lhe se correu tudo bem, pois demorou muito tempo. Atrapalhado, este tenta esconder os ténis.

Disfarça e responde: “Estava fila… mas correu tudo bem, muito bem até, podes ficar tranquila.” Ele diz que trouxe tudo o que ela pediu. Isabela força um sorriso, desconfiada que o marido esconde alguma coisa. Pouco depois, ela entra com cautela. Aproveita a oportunidade para vasculhar os pertences de Mateus. Abre a mochila e começa à procura de alguma coisa, desconfiada. Mas não encontra nada suspeito. Procura nos bolsos de um casaco e fica frustrada. Depois dá um pontapé num dos ténis do marido e repara que há qualquer coisa dentro. Vira-o e sai do interior um pequeno saco de pano, com um brinco de Vitória e outro brinco comprido e vistoso. Isabela fica chocada ao perceber que Mateus voltou a atacar.

“Nunca mais me vês”

Em fúria, vai ter com ele à cama. Abana-o com força, obrigando-o a abrir os olhos. “Que brincos são estes?! Eu queimei os outros, Mateus! Para afastar as desgraças!”, pergunta-lhe, cheia de raiva. Ele reage com naturalidade, como se não sentisse qualquer culpa e afirma que são muito bonitos. Isabela quer saber o que ele fez. Mateus mente e diz que os encontrou na rua. Contudo, a mulher não acredita e questiona:

“Tu voltaste a fazer mal a alguém?!” O vilão mente e afirma: “Não, Isabela. Juro! Encontrei-os caídos na rua. Alguém os perdeu. Não é verdade que agora as mulheres usam brincos diferentes nas orelhas?” Ela continua desconfiada e diz-lhe: “Confiei em ti…”, ameaçando: “Nunca mais me vês!” Dissimulado, o Santa Cruz alega: “E podes continuar a confiar. Não fiz nada de mal… tivemos um dia tão bom… estive sempre contigo…”, olhando-a fixamente. Pouco depois, já a sós, o filho de Catarina olha fixamente para o brinco que a mulher descobriu e que deixou em cima da mesa. Recorda o momento em que estava no supermercado, e chocou com uma rapariga com uns brincos vistosos. Segue-a até ao interior de um prédio, viola-a e mata-a. De seguida, avança pela rua, descontraído, como se nada tivesse acontecido. Enquanto isto, Isabela está deitada na cama, abalada. Sente-se sozinha e triste. Olha em redor e sente uma enorme vontade de chorar.

Lucas perde a memória

Tal como a Maria lhe contou em primeira mão, o engenheiro sofre uma perda de memória após pedir Vitória em casamento. Depois de ter alta hospitalar, Lucas regressa a casa e decide começar a tomar notas de tudo para que não se esqueça novamente. A enfermeira encontra o bloco de apontamentos dele e fica emocionada ao ver que ele escreveu várias vezes a data do casamento. Vitória procura-o e ele assume que tem medo de perder outra vez a memória e deixar passar a data do dia mais importante da sua vida.

Texto: Neuza Silva; Fotos: Divulgação TVI

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 2 | 2

 
Top