Nacional

“Vamos comer!”: Ljubomir Stanisic e outros empresários põem fim à greve de fome

3 Dezembro, 2020

Chegou ao fim a greve de fome levada à cabo por nove empresários, entre os quais Ljubomir Stanisic, à porta da Assembleia da República.

Terminou há instantes a greve de fome que nove rostos do movimento “Sobreviver a Pão e Água”, entre os quais Ljubomir Stanisic, iniciaram há sete dias, no acesso à escadaria da Assembleia da República, em Lisboa.

A notícia foi comunicada por José Gouveia, um dos manifestantes, nas redes sociais: “Vamos comer!” Segundo a TSF, este empresário pôs fim à greve de fome comendo um… croquete.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Zé Gouveia (@ze.gouveia)

 

A decisão foi tomada na sequência de uma reunião entre Ljubomir Stanisic e José Gouveia com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. A reunião aconteceu nos Paços do Concelho e terminou ao fim de mais de duas horas.

“É nossa vontade que ela [a greve de fome] termine, posso dizer, mas só em grupo é que a gente pode decidir”, avançou José Gouveia, citado pela agência Lusa, no fim do encontro com o autarca da capital. Agora, chegou a confirmação de que o protesto, iniciado na passada sexta-feira, chegou ao fim.

Recorde-se que os nove empresários adiantaram que só terminariam o manifesto se fossem ouvidos pelo primeiro-ministro, António Costa, ou pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. Segundo a TVI, Fernando Medina esteve em permanente contacto com o responsável pela tutela da Economia, apresentando as reivindicações e medidas propostas pelo grupo de manifestantes. “Ficou acordado que, dentro de sete dias, teremos um novo encontro”, disse Ljubomir Stanisic, citado pela TVI.

 

Greve de fome durava há sete dias

 

O protesto foi iniciado por rostos do movimento “Sobreviver a Pão e Água”, na passada sexta-feira, depois de, no mesmo dia, terem tido uma reunião na Presidência da República da qual “não resultou nada”

Ljubomir Stanisic, José Gouveia e João Sotto Mayor, entre outros, foram ouvidos por assessores do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e não pelo próprio chefe de Estado, como esperavam. “O Presidente não apareceu. Os assessores disseram-lhes que iam passar-lhe a mensagem”, disseram à TV 7 Dias, na altura.

Na origem do movimento está a crise instalada nos setores da restauração, hotelaria, comércio e cultura por causa da pandemia da COVID-19. Reclamam não só pela falta de apoio do Governo a estas áreas como pelas medidas de restrição aplicadas, que põem em causa a sobrevivência dos negócios.

 

Texto: Carla Ventura e Dúlio Silva; Fotos: D.R.

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top