Notícias em Destaque

Devemos ou não tomar banho com os nossos filhos? A psicóloga avisa que há perigos

17 Maio, 2019

A educação é discutível e não há um consenso em relação ao que está certo ou errado.

Não há verdades absolutas, mas existem opiniões. O site Crescer quis saber mais sobre um tema que ainda é tabu para muitos pais. Afinal de contas, os filhos devem ou não tomar banho com os pais?

«O banho deverá ser um momento relaxante para todos e isso nem sempre é possível. Seja por uma questão de logística familiar, por uma questão de tempo, de diferentes necessidades da criança e dos pais… E são muitas as vezes que os banhos se tornam verdadeiras zonas de guerra», garante, Cátia Pereira Dias, psicóloga, coach e facilitadora da parentalidade consciente.

Leia ainda: Posso ou não ficar nua à frente do meu filho? A resposta é não. Saiba porquê

É importante ter em conta a forma como os pais veem esta questão e de como é que os pais se sentem quando tomam banho com os seus filhos. «Há pais que optam por tomar banho com as crianças, por uma questão de praticabilidade, de ajudá-la, de simplificar o dia e também porque é divertido e faz parte da rotina familiar. Se os pais estão a fazê-lo por obrigação, pode se tornar uma má experiência para a criança. Quando gera constrangimento, é porque os limites estão a ser ultrapassados, logo, se a mãe ou pai se retirarem, explicando a razão, faz com que a criança entenda os limites e também aprenda mais sobreisso», realça a psicóloga.

Mas há outra questão a ter em consideração. «É que se eu quero que o meu filho vá tendo cada vez mais autonomia e responsabilidade. Os pais precisam de refletir de que forma o estão a fazer agora, para que isso seja possível no futuro», explica. E continua: «Se eu quero que o meu filho tome banho, sem ter que o dizer mil vezes, então é importante que a estrutura de dependência inicial seja bem segura».

Por fim, a questão de observar e ler os sinais da criança, de não forçar a criança a fazer algo que não quer; quando ela afirma que não quer tomar banho sozinha, respeitar o contacto na pele, de uma forma delicada e pedindo consentimento prévio. «Dar a opção à criança que se quer tomar banho junta ou separada».

Leia mais aqui

Texto: Redação Win – Conteúdos Online

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0