Notícias em Destaque

Kit de sobrevivência para casais “presos” na pandemia

27 Fevereiro, 2021

casal em pandemia sexo

Apesar desta nova realidade da pandemia, não deixe que o vírus lhe mate também a vontade sexual. O que fazer para que a vida em casal não saia beliscada.

Desfrutar de um tempo a dois pode parecer uma miragem em tempos de pandemia, algo particularmente difícil, mas essencial para manter a harmonia. A psicóloga Vera Melo deixa alguns conselhos.

Resignação

Aceite que a situação é exigente e que a perfeição não existe. É um desafio equilibrar todas as responsabilidades. Seria ingénuo pensar que esta situação pudesse persistir sem ter impacto no relacionamento. Menos tempo de qualidade pode limitar oportunidades de intimidade e os resultados podem ser o aumento dos conflitos. Ao aceitar que a definição de normalidade se alterou, poderá diminuir as exigências sobre si e sobre o relacionamento.

Simplicidade

Pense na qualidade do tempo que passam em casal e não na quantidade. A felicidade é feita de pequenos gestos, de momentos simples. Valorize pequenos momentos, como beber café antes do dia de trabalho, um abraço no lanche da tarde, um olhar ternurento entre reuniões… Expresse o que está a pensar e sentir, assegurando-se de que estão juntos, enquanto casal, nesta fase tão desafiante.

Limites

Os limites estruturam o dia. Não caia na tentação de, qualquer tempo livre que tenha, ocupar com deveres de pais. Todos precisam do seu tempo. Garanta que os mais pequenos vão para a cama cedo e os mais velhos estão ocupados.

Empatia

Coloque-se no lugar do outro. A pandemia pode acentuar diferenças no que diz respeito ao desejo sexual. Se alguns encontram no sexo uma forma de escape à ansiedade e à angústia, outros podem perder o interesse e o desejo. Não deixe que essas diferenças vos afastem e sejam motivo de conflito. Tenha em mente que o desejo pode ser despertado.

Comunicação

Crie um momento diário, onde partilham em casal sentimentos e pensamentos, sem receio de julgamentos. Este momento gera tranquilidade e desenvolve proximidade. Escute o outro e tentem, em conjunto, encontrar soluções para as preocupações. Não é tempo para competir, mas sim para colaborar. Não há lugar para ironias, ataques verbais, piadas e segundas intenções, mas sim para uma comunicação assertiva e empática, centrada na solução.

Descomplique!

Ative o “descomplicómetro” e tenha em mente que o ser humano tem uma capacidade de adaptação infindável. Use a comunicação, a paciência e a tolerância, e o “foram felizes para sempre” será possível de concretizar.

Flexibilidade

Tudo aquilo em que nos focamos aumenta de importância. Não valorize os dias maus do parceiro. Seja flexível e sensível às necessidades do outro.

Criatividade

Encontre novas formas de estar a dois. É certo que não tem o restaurante romântico ou a sala de cinema, mas, com criatividade, a sua sala ou o quarto podem tornar-se verdadeiros paraísos. Não deixe que a inércia a impeça de agir.

Leia ainda: Sete tipos de parceiros que deve evitar! A opinião de um sexólogo

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top