Saúde e Bem-Estar

Mulheres morrem mais de enfarte do que os homens. Saiba porquê

23 Janeiro, 2019

Mulheres morrem mais de enfarte do que os homens

As mulheres sofrem mais do que os homens com enfarte do miocárdio. A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular explica porquê e como prevenir.

As doenças cardiovasculares matam 35 mil portugueses todos os anos. Os números foram divulgados pela Fundação Portuguesa de Cardiologia em setembro de 2017 . Agora, sabemos também que são as mulheres que morrem mais de enfarte agudo do miocárdio.

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular explica que «o coração das mulheres é menor, as artérias coronárias são mais estreitas e, de modo geral, a frequência cardíaca em repouso é superior».

LEIA MAIS: Relações sexuais frequentes ajudam a prevenir ataques cardíacos

Serão estas as razões, assegura Pedro Farto e Abreu, Coordenador Nacional da iniciativa Stent Save a Life – Não perca tempo, Salve uma vida, que levam a que seja maior o número de mulheres do que o de homens a sofrer de ataque cardíaco.

Porém, as diferenças de género nesta doença não se manifesta apenas no número de óbitos. Muitas vezes os sintomas de enfarte na mulher também não são os comuns.

«O enfarte pode manifestar-se com náuseas, vómitos e dor na zona do estômago»

A doença coronária costuma manifestar-se nas mulheres 10 anos mais tarde do que nos homens

«O enfarte pode manifestar-se com náuseas, vómitos e dor na zona do estômago», ao contrário da habitual «conjugação de dor no peito associada à dor no braço e maxilares», pode ler-se no comunicado da associação.

Será por não se associar estes sintomas ao episódio agudo que a procura de ajuda médica acontece mais tarde. Assim fica prejudicada a eficácia do tratamento e, consequentemente, a evolução clínica imediata e futura.

Na mulher, a doença coronária costuma manifestar-se 10 anos mais tarde do que nos homens, afirma o médico. «As mulheres após menopausa, hipertensas, diabéticas ou obesas têm maior risco de enfarte com aumento da mortalidade», sublinha.

LEIA MAIS: 30% dos internamentos por AVC são em pessoas com diabetes

«Também as mulheres mais jovens que sejam fumadoras e que, ao mesmo tempo, façam contraceção hormonal têm mais precocemente risco acrescido de enfarte», acrescenta o coordenador da iniciativa.

Sinais de enfarte a que deve estar atenta

Apesar das diferenças entre homens e mulheres no que diz respeito aos sintomas e aos fatores de risco, a prevenção deve ser a mesma, aconselha o médico.

LEIA MAIS: Orgasmos estimulam os sistemas imunitário e cardíaco

«Praticar exercício físico, não fumar, ter uma alimentação saudável e consultar o médico regularmente»

Estas são as dicas subscritas pelo médico da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular.  Pedro Farto e Abreu relembra também a importância de «ligar imediatamente para o 112».

A ambulância «estará equipada com aparelhos que registam e monitorizam a atividade do coração e permitem diagnosticar o enfarte».

Siga a Revista Maria no Instagram

partilhar | 0 | 0

 
Top